Por dentro dos Museus do Vaticano e da Capela Sistina

Prepare-se! Visitar os Museus do Vaticano e a Capela Sistina exige muita paciência. É quase impossível fugir da multidão que diariamente percorre os corredores e salas do complexo que guarda uma das maiores coleções de arte do mundo. O passeio no entanto é praticamente obrigatório a quem viaja a Roma.

Para evitar longas filas, a dica é comprar o ingresso pela internet. O tíquete com dia e hora marcados sai por 16 euros mais 4 euros de taxa de reserva. Enfrentar a bilheteria oficial pode levar horas e isso não é nada bom, já que o tour completo leva muito tempo.

entrada museus do vaticano

Selecione o que ver

As medidas das instalações dos Museus do Vaticano assustam. São dois palácios e três pátios internos. Isso corresponde a nada menos que que sete quilômetros de exposições aproximadamente. Convenhamos, precisaria muita disposição e mais que um dia inteiro para ver tudo. A recomendação então é selecionar o que ver.

A parte inicial da visita concentra a Sala da Cruz Grega, o Museu Pio-Clementino, o Museu Pio-Cristão, o Museu Gregoriano Profano e a Pinacoteca. No Pio-Clementino estão estátuas clássicas e alguns achados arqueológicos, como o Apolo do Belvedere e o Lacoonte, além da Sala dos Bustos, que guarda retratos dos imperadores romanos.

Quadros de renomados pintores italianos, como Rafael, Ticiano e Leonardo da Vinci, podem ser vistos na Pinacoteca. Um dos destaques é o São Jerônimo, obra inacabada de da Vinci redescoberta no século XIX.

escultura museus do vaticano

O caminho seguinte leva aos principais tesouros do Vaticano: as antiguidades gregas e romanas. Mais estátuas, vasos e mosaicos são parte do riquíssimo acervo. Uma coleção interminável de peças para ver.

Quem tem interesse pela arte egípcia vai gostar da visita ao Museu. Estão expostas obras autênticas como estátuas, documentos escritos em papiro, artefatos funerários, sarcófagos e múmias. Vimos mais múmias lá do que no Museu do Louvre.

sarcofago egito museus do vaticano

Vale destacar que muito do material foi encontrado em escavações do século XIX e XX. Os itens foram levados do Egito a Roma no período imperial.

Objetos de arte assíria, etrusca e pré-romana também podem ser conferidos no passeio.

galeria dos mapas museus do vaticano

Mais pintores famosos e as Salas de Rafael

A extensa Galeria das Tapeçarias ressalta a riqueza da coleção dos Museus do Vaticano. São inúmeras e belas peças feitas em Bruxelas, na Bélgica, de desenhos de alunos de Rafael. Em seguida, a Galeria dos Mapas retrata como era a Itália antiga. Um testemunho interessante da história.

Os aposentos Bórgia abrigam centenas de obras do mundo todo. Aqui os italianos dão espaço a gênios como Salvador Dalí, Picasso, Botero, Munch, Matisse e outros. Os quadros foram doados pelos próprios autores ou por colecionadores.

salvador dali museus do vaticano

Um dos ápices da visita aos Museus do Vaticano é passar pelas Salas de Rafael. São quatro cômodos onde funcionavam os aposentos do papa Júlio II. Foi o próprio pontífice quem solicitou a Rafael redecorar as paredes. O trabalho levou mais de 16 anos e o pintor morreu antes da conclusão.

afresco salas de rafael museus do vaticano

Infelizmente a multidão atrapalha apreciar cada detalhe dos afrescos. As salas são divididas em Saguão de Constantino, Sala de Heliodoro, Sala da Segnatura e Sala de O Incêndio no Borgo.

salsa de rafael museus do vaticano

A indescritível Capela Sistina

Esqueça a quantidade exagerada de pessoas, esqueça o cansaço de passar horas caminhando. A maior recompensa ao chegar ao fim da visita é entrar na Capela Sistina. Um grand finale perfeito dos museus.

São 12 afrescos espalhados pelas paredes pintados por Perugino, Ghirlandaio, Boticceli e Signorelli. Mas o grande nome da capela é Michelangelo.

Michelangelo levou quatro anos para decorar os 800 m² do teto com episódios do livro do Gênesis. Ele também é responsável pela obra Juízo Final que ocupa os 200 m² da parede a oeste.

Não é possível tirar fotos no interior da Capela Sistina, então aproveite o momento para desfrutar de uma das obras mais belas já feitas pelo homem.

Dica valiosa

Quem compra o áudio guia dos museus do vaticano ganha também um mapa para guiar o passeio. Já quem opta por fazer o trajeto de forma independente não encontra mapa gratuito no local.

Uma dica importante é baixar na internet ou levar impresso mesmo um mapa dos museus, já assinalado com as salas que você pretende visitar. O local é imenso e não ter esse guia pode fazer com que você perca muito tempo durante o passeio.

escadaria espiral museus do vaticano

Como chegar aos Museus do Vaticano

O metrô é a forma mais simples e rápida de chegar aos Museus do Vaticano. Pegue a linha A (vermelha) na direção Batistini e desça na estação Ottaviano ou Cipro. Depois é só seguir as placas.

O último domingo de cada mês tem entrada livre das 9h às 12h30.

 

Imagens: Arquivo pessoal e Pixabay

Deixe uma resposta