Hostels em Paris: minhas experiências

Uma das melhores maneiras de economizar em viagens é ficar hospedado em hostels. Para quem vai bater perna o dia inteiro e curtir pouco o local da estadia esse tipo de acomodação é mais indicado ainda. Na Europa, os hostels costumam ser super bem equipados e dá para encarar sem medo.

Nas minhas últimas férias, por exemplo, viajei com a minha mãe e estava um pouco preocupada quanto aos hostels, mas não tivemos problema nenhum e aproveitamos um monte. Ah, neste caso vale a pena conferir se o local não tem limite de idade, já que alguns hostels só aceitam pessoas de no máximo 35 anos.

Hoje vou falar sobre dois hostels que fiquei em Paris e as minhas impressões. Vamos lá:

Plug-Inn Boutique Hostel

Onde fica: Pertinho do Moulin Rouge, da Sacré Coeur e da estação Blanche do metrô.

Quando e quanto: Quando fui em maio de 2012, paguei 435 euros por três noites em um quarto para quatro pessoas. Como estava com mais três amigas fechamos esse quarto só para nós. Ou seja pouco mais de 36 euros por noite para cada uma.

Como é: O quarto para quatro pessoas é bem pequeno (aperto messsmo), tem duas beliches, uma mesinha, uma cadeira e o melhor: banheiro (muito bom) privativo.

Eu, as meninas e as malas, nos apertando no quarto do Plug-Inn

O hostel oferece ainda internet Wi-Fi gratuita (pelo que me lembro tinha um limite de horas por dia, mas você podia usar o que sobrava do dia anterior e como ficávamos muito pouco por lá sempre era suficiente) e café da manhã, bem fraquinho por sinal.

O lugar também tinha uma área comum pequena, alguns computadores para quem quisesse usar e um elevador minúsculo que não comporta você e suas malas (é sério). Por isso, prepare-se para enfrentar as escadas com a bagagem. Por sorte nós ficamos no primeiro andar.

O que achei: vale MUITO a pena, principalmente pela localização. Não, você não consegue ir a pé para a Torre Eiffel, mas está em uma ótima linha do metrô que te levará pra qualquer lugar com facilidade.

Além disso, a região é cheia de bistrôs, barraquinhas que vendem baguetes e crepes (ai, que delícia), farmácia, starbucks, etc.

St Christopher’s Inns Canal

Onde fica: Perto das estações Laumière e Crimée do metrô

Quando e quanto: Fui em maio de 2013 e paguei 356 euros por quatro noites em um quarto privado para duas pessoas. Ou seja 44 euros para cada um por noite. Neste eu fiquei com a minha mãe!

Como é: o quarto que fiquei para duas pessoas tinha duas camas de solteiro, uma pia e uma escrivaninha. Era bem grande, acho que o dobro do tamanho do plug-inn, mas não tinha banheiro privativo. Ou seja, precisávamos dividir com o pessoal do andar.

Essa foto é de divulgação, mas meu quarto era desse mesmo jeitinho

O hostel é bem mais moderno do que o Plug-inn. No local também funciona um bar bem legal. Para quem gosta de agito, vai sozinho e quer conhecer outros mochileiros vale a pena. Tem um elevador enorme e muitos muitos quartos. Ah, mesmo com o bar não tive nenhum problema com barulho nem nada.

O hostel tem internet Wi-Fi gratuita também e um ótimo café da manhã que ocorre no bar, lá do lado da recepção. Neste caso vale a pena dispensar o starbucks e acordar cedo para aproveitar. Também tem áreas comuns bem legais com livros, revistas e computadores.

O que eu achei: Muito bom, mas se fosse para optar preferiria o Plug-Inn. Apesar de mais moderno, descolado e espaçoso a localização do St Christopher’s não é a melhor.

Quando cheguei em Paris nestas duas vezes me perdi para achar os hostels, mas fiquei realmente com medo na região desse segundo.

A avenida perto da estação Crimée tem bastante coisa também. Várias lojas, Mc Donalds, etc, mas a outra é muito mais acolhedora e parece ser mais movimentada (pelo menos eu tive essa impressão). Além disso, me pareceu mais fácil me deslocar até os pontos turísticos da linha 2 onde fica o Plug-Inn.

Por fim, os banheiros: não tenho problema nenhum em dividir banheiro. Quando passei um mês estudando em Londres pela segunda vez fiquei um mês nessa rotina e foi tranquilo. Nas acomodações para estudantes isso é comum por lá. Mas no St Christopher’s não dei muita sorte e achei que a parte do banho principalmente deixou a desejar.

Veredito: dois hostels excelentes, cada um com suas particularidades. Gosto mais do Plug-Inn, mas se o St Christopher’s estivesse com tarifas mais tentadoras com certeza voltaria a me hospedar lá.

Um comentário em “Hostels em Paris: minhas experiências

Deixe uma resposta