Crônica de Madri – Uma cidade para sair rico

O viajante que chega a Madri tem a obrigação de sair da cidade mais rico. Não uma riqueza monetária, mas de algo mais nobre que envolve nossa percepção e consciência. Madri é uma clássica capital europeia, exatamente como imaginamos: limpa, organizada e cheia de praças e parques para que a população tome conta. Porém, é dentro dos museus que ela guarda o mais importante dos seus tesouros.

Os quadros de pintores consagrados como Diego Velázquez, Goya, Joan Miró, Salvador Dalí e Pablo Picasso são os maiores legados da capital espanhola aos turistas e todos que tem a oportunidade de observá-los. Cada um ajuda a entender os momentos vividos pela Espanha e consequentemente o mundo. O auge da monarquia católica, a vida na Corte, o medo e ódio de Napoleão, as guerras, as batalhas, a reconquista da soberania. A representação das paisagens, das pessoas comuns, da vida no cotidiano.

as meninas

3 de maio

Mas mais que um panorama disso, os quadros nos levam à mais profunda reflexão quando abordam as duas grandes guerras mundiais e Guerra Civil Espanhola. Dalí mostra o desespero do mundo, a desesperança de um futuro melhor, a agonia da falta de perspectiva diante da tragédia global. Picasso pinta a miséria humana do próprio povo vítima de um ditador. A Guernica, uma das obras-primas do artista, representa um repúdio à guerra. O painel que representa a cidade bombardeada por nazistas impressiona pelos detalhes.

Há ainda traços como o de Luis Quintanilla Isasi. Desenhos, gravuras e ilustrações feitas por ele mostram cenas da década de 30 e 40 e que, infelizmente, se revelam muito atuais. São representações de muito sofrimento com pessoas desesperadas fugindo da Guerra para não serem mortas.

nazi

bombardeio

cadaveres

É difícil sair a mesma pessoa tendo uma experiência privilegiada dessa. Ver a beleza das obras de autores renomados em imagens de tanto horror nos coloca sob um paradoxo e nos obriga a pensar em um mundo melhor para que situações como essas parem de se repetir.

Conhecer Madri vale a pena por três dos seus vários museus: Reina Sofía, Prado e Thyssen-Bornemisza. Uma cidade bonita e que oferece algo essencial sem nenhum custo: cultura.

Um comentário em “Crônica de Madri – Uma cidade para sair rico

Deixe uma resposta