Amsterdã: muito além dos coffeeshops

Super conhecida por ser uma cidade liberal, Amsterdã tem muito mais a oferecer do que os coffeeshops e o bairro da Luz Vermelha. Sim, todo mundo sabe que o consumo de drogas é autorizado nos coffeeshops e que a prostituição é legalizada em alguns pontos da cidade, mas Amsterdã vai muito além disso.

A cidade tem uma energia fantástica, várias atrações culturais, arquitetura única, além de um povo simpático e solícito. Diante de tanta coisa bacana a se fazer, ainda me admira que a maioria das conversas sobre Amsterdã se concentrem sobre drogas e sexo.

Como se locomover

Amsterdã é uma cidade compacta no que diz respeito aos pontos turísticos, por isso, é possível fazer boa parte das coisas a pé. Se perder pelas ruas da cidade faz parte da brincadeira, já que as vias não seguem uma lógica muito familiar para a gente ao ir contornando os inúmeros canais da cidade.

Se depois de um dia inteiro batendo perna, bater a preguiça na hora de voltar para o hotel, basta pegar um tram, o famoso bonde, que é super eficiente e te leva para os principais lugares do centro. A cidade também conta com serviço de ônibus e metrô, mas dificilmente você irá precisar deles.

DSC09237

O bilhete simples para andar no tram, válido para uma hora de viagem, custa 2,9 euros e pode ser adquirido dentro do veículo com o cobrador. Há também a opção de passes diários e de dois ou três dias. Atenção na hora de embarcar, normalmente entra-se no tram pelas portas de trás, onde ficam os cobradores e sai pelas portas da frente. Já com o bilhete é preciso validá-lo na entrada e na saída do tram, para isso, basta encostar o tíquete nas máquinas ao lado da porta. Dentro dos trams há paineis que mostram quais os próximos pontos de parada, tudo bem fácil para te ajudar a não se perder.

Outra coisa legal de Amsterdã é que a maioria das pessoas fala inglês, por isso, não é preciso se preocupar com a comunicação nos transportes, lojas ou restaurantes.

Passeios

A dica para entrar no clima da cidade é começar o passeio pela Leidsplein, seguindo pela Leidsetraat. Por ali, várias lojinhas locais se misturam a bares, restaurantes e grandes redes e formam um ponto movimentado de Amsterdã.

Outras duas praças que merecem entrar no roteiro é a Dam, que abriga o Palácio Real, que já abrigou os monarcas do país e está aberto a visitação (10 euros) e o museu Madame Tussauds (22,50 euros). Nesta região, há ainda vários artistas de rua e acesso há diversas ruas de comércio da cidade.

DSC09259 DSC09257

Já a Museumplein, como o próprio nome já diz, abriga os principais museus de Amsterdã. É lá que está o museu de Van Gogh (17 euros), o Rijksmuseum (17,50 euros), considerado um dos mais importantes da europa, o Stedelijk (15), de arte moderna, contemporânea e design, além do famoso letreiro I Amsterdam.

DSC09197 DSC09189

Parada obrigatória na cidade, a Casa da Anne Frank (9 euros), traz um passeio emocionante pelo local onde a família Frank e outras quatro pessoas passaram dois anos escondidos durante a invasão nazista na Holanda. A família de Anne Frank vivia na Alemanha quando o partido nazista começou a perseguir os judeus. Apreensivo com a situação, Otto Frank se mudou com a família para a Holanda, porém, logo o país foi invadido e a família precisou se esconder.

DSC09242

A casa que conhecemos durante a visita não é o local onde a família morava na época, mas onde funcionava a empresa de Otto. Na época, quatro pessoas ajudaram a família a se esconder em um anexo no prédio. Durante a visita, descobrimos que o local continuou funcionando normalmente e que a maioria dos funcionários não sabia que havia pessoas escondidas ali. Por isso, durante todo o tempo de reclusão, os perseguidos tinham que se manter em absoluto silêncio, podendo usar o banheiro, por exemplo, somente durante a noite, e quase sem ver a luz do dia.

DSC09245

Anne Frank, na época com 13 anos, passou a relatar tudo em um diário. Por fim, a família acabou sendo denunciada, não se sabe até hoje por quem, e todos foram mandados para campos de concentração. O único sobrevivente foi Otto, o pai de Anne, que ao voltar para Amsterdã encontrou o diário da filha e decidiu publicá-lo.

A dica é comprar o ingresso antecipado, já que sempre há muita fila no local. Ah, a visita não pode ser fotografada nem filmada.

Uma atração que nos surpreendeu, no entanto foi a Heineken Experience (18 euros), que faz uma visita a antiga fábrica da holandesa Heineken. Esse é um passeio bastante interativo, que conta a história da cervejaria, mas também te permite brincar e se divertir no local. O tour começa contando um pouco da história da marca, desde seu idealizador, até a terceira geração da família, que revolucionou o marketing da empresa e transformou a Heineken em um produto mundial.

DSC09226 DSC09227

Depois disso, passamos a entender como é fabricada a cerveja e descobrimos até que foi um aluno de Louis Pasteur quem inventou o “ingrediente secreto” da Heineken. Depois dessa etapa e de uma pequena degustação, tem início a parte interativa, que faz alusão aos vários eventos que a Heineken patrocina. É possível “entrar” no processo de fabricação da cerveja através de uma experiência 3D, “atacar” de DJ, jogar Rugby, futebol, aprender a servir uma Heineken da maneira ideal por meio de um simulador, além de várias outras coisas. É bem divertido e ao final você ainda pode se deliciar com duas taças de cerveja.

FullSizeRender

IMG_9495 DSC09220

Perto dali, um passeio que te mostra um pouco mais a atmosfera de Amsterdã é o Albert Cuyp Market, um mercado de rua que vende desde roupas e sapatos até queijos e souvenirs. Tudo a um ótimo preço. Outro mercado interessante, mas já com preços mais altos, ocorre na Waterlooplein. Conhecido como um mercado de pulgas, o local é mais focado em antiguidades.

DSC09229

Assim como todas as principais cidades da Europa, Amsterdã também tem um parque onde os moradores curtem o verde, fazem exercícios e passeiam com os cachorros. O Vondelpark é uma delícia e mesmo nos dias frios é um passeio gostoso para se fazer.

IMG_9565

Culinária

Já ouvi falar que a Holanda não tem comidas típicas. Pode até ser, mas a verdade é que as coisas mais comuns consumidas em Amsterdã são simplesmente uma delícia. Afinal, quem não gosta de batata frita? Pois é, lá tem batata frita em todos os lugares, sempre servidas em cones de papel e com muita maionese.

Outro quitute famoso é o croquete, que lá se chama Kroketten. Eu não sei explicar o que ele tem, mas ele é realmente uma delícia. Comemos em forma de bolinho no próprio hostel, mas os croquetes estão em todos os lugares, dizem que tem até um lanche com ele no McDonald’s. Vale a pena provar.

IMG_9568

Se os salgados já são de babar imagine agora os doces holandeses. Uma dica preciosa (obrigada de novo, Karla!) que nos deram foi a de visitar a Winkel, um café que fica no bairro Jordaan, pertinho da casa da Anne Frank, que vende a melhor torta de maçã da cidade. A torta é simplesmente maravilhosa e como se não pudesse melhorar ainda mais, ela pode ser servida com creme chantilly. D-I-V-I-N-O. E com um preço super bacana. Não deixe de ir, tá?

IMG_9538

Por fim, mas não menos importante está o stroopwafel, uma espécie de waffle holandês, que tem um caramelo muuuito bom por dentro. Nós comemos pela primeira vez no Albert Cuyp Market, em uma versão gigantesca, feita na hora, quentinha e que ainda vinha com chocolate por cima por 2 euros. É muito gostoso! Depois encontrei uma versão menorzinha que é vendida pronta no mercado. Aí, a ideia é você colocar o waffle em cima de uma xícara com bebida quente que vai derreter o caramelo e deixar o stroopwafel no ponto. Mas quer saber? Até sem derreter é gostoso!

IMG_9826

Ah, o Albert Cuyp também é uma boa opção para quem gosta de comida simples e quer fazer uma refeição barata. Encontramos por lá uma barraquinha que vendia frango de todos os jeitos por um super precinho. Compramos duas bandeijinhas de asa e coxinha por 2,50 cada e adoramos. Recomendo.

Outra dica legal relacionada a comida é a rede de mercados Albert Heijn. Tem um a cada esquina em Amsterdã e os preços são bem legais. Aproveite para economizar no jantar e ainda comprar vários pacotes de stroopwafel.

*Dá pra ver um pouco de tudo o que fizemos em Amsterdã no vídeo que está no nosso canal do YouTube. Não perca! Ah, aproveita e se inscreve no canal para ver primeiro todos os vídeos da viagem!

3 comentários em “Amsterdã: muito além dos coffeeshops

Deixe uma resposta